terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Resenha " Rio Zona de Guerra - Leo Lopes

Rio Zona de Guerra
Autor: Leo Lopes
Editora: Avec
Nota: 10

Sebastião via na notícia da aposentadoria do velho Pedro, a oportunidade de ocupar o cargo de porteiro chefe, seu sonho de consumo. Achava que depois dessa promoção viveria no luxo, tendo direito a desfiles de empregadas no seu quarto privado sempre. Sebastião queria provar para aqueles que o desmereciam, que ele tinha chegado lá, que tinha mudado para dentro da fronteira, sempre sonhou com o que tinha do lado de lá dos muros da fronteira. Uma mulher é jogada de um dos prédios do condomínio onde Sebastião trabalha. O corpo é achado em cima de um “flutuador” moderno, e o que surpreende o porteiro é que os olhos da mulher permaneceram abertos, mesmo depois do corpo ter se espatifado no teto do carro. Carlos Freitas entra na história para tentar desvendar o acidente suspeito. Ele é contratado por Vivian, amiga íntima da vítima que também não entende o que houve.
Carlos Freitas andava pela Zona de Guerra depois das 20 horas, era suicídio andar sozinho depois de uma hora daquelas mas ele não se importava. Enquanto caminhava, pensava em todos os conflitos existentes em sua vida, um amor do passado, uma carreira brilhante deixada pra trás. Mas o que Carlos não sabia era que um “acidente” dentro dos muros da fronteira, seu passado e sua carreira, junto com os acontecimentos na vida do porteiro Sebastião, estariam todos interligados. O passado voltaria para ele de braços abertos como lobo em pele de cordeiro e suas carências afetivas viriam todas à tona. Mal sabia ele ser tão amado, porém tão odiado por uma nova sociedade controladora que dominava e tinham o poder para mandar e desmandar.

Comentário:


Não dá para contar muitos detalhes do livro porque qualquer detalhe é parte fundamental de todo o enredo da história. O livro enfim me fez refletir sobre várias questões políticas e também sociais, aquelas que praticamente toda a nação já está acostumada. Uns com muito, outros com nada ou praticamente nada. Achei muito interessante a descrição das tecnologias implementadas na história e fiquei imaginando que seria quase impossível algo assim no brasil, nossos governos não estão interessados nesse tipo de investimento para proteção de um todo. Fiquei muito empolgada em ter um “flutuador” que são os carros descritos na história, eles realmente flutuam, e sinceramente seria um máximo. Gostei do local em que a história foi citada, Jacarepaguá, Recreio, Barra, Copacabana são todos lugares conhecidos por mim, e sinceramente, vislumbrei em vários momentos todos aqueles acontecimentos, todas as mudanças dos locais, como sendo verdade. A história me prendeu do começo ao fim, é um enredo muito bom, com direito a filme se me permitem dizer. Valem a pena conferir toda essa trama que foi tão bem elaborada que o personagem principal, custa a entender que tudo é por causa dele. Como disse o autor, “Um futuro muito distante”. 

By Morgana das Fadas.